.

.

A janela partidária mudou consideravelmente a configuração da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Entre os dias 3 de março e 1º de abril – período estipulado pela legislação eleitoral para que deputados estaduais e federais possam mudar de legenda sem perder o mandato -, a movimentação foi intensa e 17 dos 63 parlamentares mudaram de partido, o que representa pouco mais de 1/4 dos membros da Casa.

A sigla que conseguiu mais filiações foi o União Brasil. A bancada, que tinha cinco representantes, agora passa a ter 12 com a chegada de sete parlamentares. Desembarcaram na sigla: Marcelinho Veiga (ex-PSB), Mirela Macedo (ex-PSD), Dal (ex-PP), Robinho (ex-PP), David Rios(ex-PSDB), Kátia Oliveira (ex-MDB) e Soldado Prisco (ex-PSC).

Com essas mudanças, o UB se tornou a segunda maior bancada na AL-BA, com 12 deputados, perdendo apenas para o PT, que aumentou de 11 para 13 o número de parlamentares no legislativo baiano, com as chegadas de Euclides Fernandes, ex-PDT, e de Junior Muniz, ex-PP (saiba mais aqui).

Outro partido que surpreendeu foi o PV. Os verdes não tinham nenhum representante na Casa, mas, de última hora, conseguiram filiar quatro deputados: Roberto Carlos (ex-PDT), Alan Castro (ex-PSD), Marquinho Viana (ex-PSB) e também Vitor Bonfim (ex-PL).

Por força da federação que acordou com PT e PCdoB, o PV baiano terá que apoiar a candidatura de Jerônimo Rodrigues (PT) para o governo do Estado, mesmo a nível municipal fazendo parte da base de apoio do prefeito Bruno Reis (UB).

Quem também saiu ganhando na janela partidária foi o Republicanos, que filiou os deputados bolsonaristas Talita Oliveira, que saiu do PSL, e Samuel Júnior, saído do PDT. Já o também bolsonarista Capitão Alden se desfiliou do União Brasil e se juntou ao PL, partido do presidente Jair Bolsonaro.

O Avante, que não tinha nenhum parlamentar desde a morte de João Isidório em novembro de 2021, garantiu uma cadeira, com a confirmação da chegada de Tum, que deixou o PSC.

PERDERAM ESPAÇO

Os partidos que tiveram mais prejuízos com a janela foram PSB e PDT. A bancada socialista perdeu dois dos seus cinco representantes. Continuam no partido, Fabíola Mansur, Angelo Almeida e Alex Lima. O último não deve disputar a reeleição por motivos de saúde (lembre aqui).

Já o PDT, passou de quatro deputados para apenas um. O único membro que vai representear a legenda na Casa é Leo Prates, que se desincompatibilizou da Secretária de Saúde de Salvador na semana passada, e vai tentar uma vaga na Câmara dos Deputados. Bahia Notícias.