xIMAGEM_NOTICIA_5_jpg_pagespeed_ic_sXVI89Dl5B

Uma pesquisa de pós-doutorado da Universidade de Juiz de Fora (UFJF), em parceria com a USP, confirmou que são verídicos os dados de cartas escritas pelo médium Chico Xavier atribuídas a um jovem morto. O estudante Jair Presente morreu afogado no interior de São Paulo em 1974, quando tinha 24 anos. À pedido de irmã e pais da vítima, Xavier escreveu uma sequência de 13 cartas. “Os médiuns são conhecidos pelo repasse de informação às quais não teriam acesso normalmente. Por isso, a primeira coisa era avaliar se o que havia ali não era genérico”, disse ao jornal Folha de S. Paulo o diretor do Núcleo de Pesquisas com Espiritualidade e Saúde (Nupes) da UFJF, o psiquiatra Alexander Moreira-Almeida. Na primeira carta analisada, o grupo encontrou referência ao avô do estudante. “Aqui comigo o meu avô Basso e um coração de benfeitoria a quem chamo de Irmã Elvira”, diz a carta. De acordo com a pesquisa, a citação é importante, pois não apenas o avô materno de Jair era conhecido pelo sobrenome referenciado como também pelo fato de que ele estava morto na época. Já Elvira é uma tia do jovem, e também falecida. Moreira-Almeida explicou que a irmã não deu detalhes quando procurou por Chico e que, inclusive, parentes dele precisaram verificar a veracidade das informações. O estudo acadêmico tem o objetivo de fazer um estudo acadêmico para trabalhar, sob base de pesquisa científica, em cima dos relatos não comprovados de que ele produzia informações verdadeiras. “Concluímos que, dos 99 itens de informações identificados, 97 eram dados verídicos e correspondentes a um fato real”, disse o psiquiatra.