.

.

Com o objetivo de implantar uma mini academia no espaço escolar com materiais recicláveis e reaproveitáveis, os estudantes do Centro Territorial de Educação Profissional (CETEP) Médio Sudoeste da Bahia, localizado no município de Itororó (405 km de Salvador), estão coletando peças de veículos nas oficinas mecânicas da cidade para a construção de aparelhos de musculação e ginástica aeróbica. A iniciativa visa a promoção da saúde e o reconhecimento da Educação Física escolar de forma econômica e sustentável.

.

.

Segundo o professor de Educação Física e idealizador do projeto, Gidafle Gama da Silva, a ideia surgiu durante a realização da Jornada Pedagógica deste ano, na qual foram discutidos projetos para a diversificação das aulas da disciplina. “Trata-se de um projeto multidisciplinar que envolve os estudantes dos cursos de Nutrição e Dietética, Administração, Edificações e Meio Ambiente que tem o objetivo de inserir o estudante no contexto da sustentabilidade econômica e social. A ideia é que a mini academia seja utilizada pelos alunos e por pessoas da comunidade que não têm acesso a uma academia”, afirmou. 

No momento, além da triagem dos materiais recolhidos, estão sendo desenvolvidos alguns protótipos de equipamentos para a mini academia, a exemplo de uma bicicleta ergométrica horizontal com carteiras inservíveis e peça de bicicleta; alteres com peça veiculares; anilhas com tambores de freio e amortecedores de veículos para a confecção de aparelhos aeróbicos. Além disso, também serão reaproveitados vasilhames de 20 litros de água mineral para serem transformados em lixeiras. 

O estudante Marcos Vinícius Lima, 15, do curso técnico em Administração, falou da importância da reutilização dos materiais recolhidos. “Com essas peças e sucatas que seriam acumuladas ou descartadas no meio ambiente, podemos construir equipamentos úteis e de baixo custo”, comentou. 

Para Michele Santos Oliveira, 15, também do curso de Administração, o projeto é muito importante para a promoção da saúde e bem-estar das pessoas. “Além de contribuir para o nosso aprendizado, a mini academia irá facilitar a vida dos moradores da comunidade, como os idosos, e também aqueles que não possuem condições financeiras de pagar uma academia”, afirmou.