WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


abril 2024
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  
escola de jiu jitsu

andressa fashion hair

rilker rodrigues

clube de campo gameleira

pro corpo academia

genilson reis fotografia

softsky informatica

carne de sol gomes


EDITORIAL: PARA O ITOROROENSE, A SUA CARNE-DE-SOL É SAGRADA.

Li a entrevista do empresário Marcos Ribeiro Costa ao jornal Dimensão,   edição de 17 de março, falando sobre as razões que levaram o Frigorífico Sudoeste, de que é um dos proprietários, recentemente inaugurado na cidade de Itapetinga, a encerrar as suas atividades.

O ilustre entrevistado atribuiu a suspensão da prestação de  serviços de sua  empresa  à falta de adesão  do segmento regional, voltado para o abate bovino, ao serviço legalizado, optando, assim, por continuar  trabalhando na clandestinidade. E, aí, não faltou acusações aos órgãos fiscalizadores  do setor, como  Vigilância Sanitária e  Abad e, igualmente, às  autoridades municipais e estaduais, como  prefeitos das cidades próximas e o Ministério Público Estadual,  todos, segundo ele, comprometidos com a aplicação da Portaria 304 do Ministério da Agricultura que proíbe   o abate clandestino de animais.

O Frigorífico Sudoeste foi idealizado e construído dentro da expectativa de vir a acontecer  a repressão oficial à matança clandestina de bovinos, na micro região e, ainda,  de poder prestar seus serviços especializados a todos os municípios. Mas, uma coisa e outra acabaram não acontecendo, pelo menos,  na proporção desejada pelos empresários, o que acabou inviabilizando economicamente a atividade do frigorífico.

Ao município de Itororó, onde o entrevistado fala da existência de um acordo de cavaleiros, as queixas foram maiores, pois, daí, não  foi enviada, se quer, uma rês para o abate, durante os cinco meses em que o frigorifico esteve operando.

Logo após a entrevista, surgiu no blog “Sudoeste Hoje” da cidade de Itapetinga e, também, foi divulgado por outros blogs, um vídeo denunciando as condições em que é realizado o abate bovino, no Matadouro Municipal  de Itororó. Chocante, pelos maus tratos que são impostos a uma rês, no momento em que esta  é abatida,  e mostrando a forma inadequada como  é retirada a pele do animal e como  este tem a sua carne desossada, o vídeo, além de, indiretamente, servir aos interesses do Frigorífico Sudoeste, é suspeito de ter sido produzido por políticos locais de oposição à administração municipal de Itororó, visando, com ele, desgastar a imagem do prefeito.

Contudo, se, de fato, foi  essa a intenção dos produtores do vídeo, o tiro parece ter saído pela culatra, porque todo o segmento voltado para a cadeia produtiva da carne-de-sol no município de Itororó, revoltado com a repercussão negativa da matéria publicada e suas possíveis  consequências,  condenou o ato, veementemente.

A  repercussão do vídeo, que foi usado por alguns blogueiros para denegrir a imagem da carne-de-sol de Itororó, alcançou enormes proporções,  provavelmente porque a carne é famosa em todo o Estado da Bahia. E os efeitos negativos da publicação já estão causando prejuízos a toda a cadeia produtiva da carne dentro do município, pois os fazendeiros queixam-se de queda na procura de suas novilhas (espécies de animais apropriados para a carne-de-sol), e da queda do preço de arroba. Do  outro lado, muitos abatedores e comerciantes da carne-de-Itororó também resolveram diminuir a produção, enquanto esperam  o que vai acontecer  com o abate bovino dentro do  município.

Itororó deveria estar fora desse problema, se o  governo do Estado, anterior ao atual, tivesse concluído e posto em operação o Frigosol, frigorífico idealizado para a produção da carne-de-sol de Itororó, em vez de  repassá-lo à iniciativa privada, por sinal, ao mesmo grupo proprietário do Frigorifico Sudoeste que, após a sua aquisição, optou por  não concluir o Frigosol e por  implantar o  frigorífico de Itapetinga.

Hoje, o abate bovino do município de Itororó  poderia estar sendo realizado aqui mesmo, pelo Frigosol,  dentro das regras da Portaria 304. E essa mudança de local  não levaria o desemprego   ao pessoal lotado no Matadouro Municipal,  já que esses trabalhadores poderiam ser  remanejados para o frigorífico; fato  que não ocorrerá   com o fechamento do  matadouro e a  transferência do abate para a cidade de Itapetinga.

Muitos velhos açougueiros disseram-me que desistirão dessa atividade  se, por acaso, tiveram que levar suas rezes para ser abatidas em Itapetinga. Alegam que o custo do abate e do frete inviabilizará o negócio, já que, para compensá-lo, terão de elevar bastante  o preço  da carne-de-sol de Itororó.

Atualmente, os empresários do Frigorífico Sudoeste não se acham em condições de exigir a adesão do segmento dedicado ao abate bovino em Itororó, pois, quando optaram por abrir o Frigorífico de Itapetinga, desistiram  do Frigosol, sem, se quer,  atentar para o prejuízo que essa ação causaria à economia do município de Itororó.

Essa mudança de atitude dos empresários matou as esperanças da sociedade de Itororó de ver o Frigosol produzindo a carne-de-sol que seria exportada para todas as regiões do país. E, também, passou a ameaçar   a estruturação de toda a cadeia produtiva da carne-de-sol do município que, dificilmente, resistirá o fechamento do Matadouro Municipal, com a consequente transferência  do abate bovino para a cidade de  Itapetinga.

O custo social e econômico desses acontecimentos é muito alto para o pequeno município de Itororó. Por isso, é bastante  compreensível que, a essa altura, a sociedade de Itororó e a atual administração do município não apoiem a mudança que o Frigorífico Sudoeste deseja. Antes dela ou de qualquer outra,  é preciso que os interesses sociais e econômicos do município estejam a salvos, a fim de que a população local não fique seriamente prejudicada.

Texto: Djalma Figueiredo

2 respostas para “EDITORIAL: PARA O ITOROROENSE, A SUA CARNE-DE-SOL É SAGRADA.”

  • 13 pt says:

    mas com higiene

  • Guthesilva says:

    O Dr. Djalma doi muito feliz na elaboração deste tema. Ele atentou mais para os aspecto técnico do assunto. Acontece que o político é o que me interessa, e, sabemos que todo aquele blá blá do ministério público deveria ser para apurar porque daquele povo todo no matadouro naquele dia , e qual é o verdadeiro interesse dos políticos de oposiçao, se eles estiveram governando Itororo por anos e nada fizeram em pról do frigorífico ou de outro modelo para melhorar o abate em Itororó. O prefeito atual deu o ponta pé inicial reformando os pontos de comercialização, os galpões, que estão totalmente higienizados e ten ho certeza que o local de abate será regularizado muito em breve, aguardemos!!!!

Deixe seu comentário

saae
paulinho casa construcao

clinica bem estar

atacadao farma

pet love

mix core training


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia