WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
vida plenacentral das bebidasjunior moveis e eletros clinica bem estar


ITORORÓ: ELEITOR - QUAL SERIA O MELHOR HORÁRIO PARA A SESSÃO DA CÂMARA DE VEREADORES?

View Results

Carregando ... Carregando ...
agosto 2019
S T Q Q S S D
« jul    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
carne de sol gomes mercadinho

allyf calcados

pizzaria garoto senna

pet shop miau au au

mercadinho delta

V&JC instalacoes eletricas

leo gas

farmacia dias

alianca variedades

casa de carnes alianca

lava rapido pit stop

softsky informatica

tecnet

guri polpas

academia pro corpo

hn informatica


EDITORIAL: A CAMPANHA FRATERNIDADE E SAUDE PÚBLICA PODE SALVAR O HOSPITAL.

Na semana próxima passada, fiz mais um editorial sobre a preocupante situação  em que vive o Hospital e Maternidade de Itororó que, para algumas    pessoas da comunidade local, está preste a fechar as portas.  Entretanto, o artigo que não trazia qualquer pretensão política,   incomodou alguns eleitores contrários ao prefeito do município porque, em seus comentários, eles insistiram em atribuir ao alcaide a responsabilidade pela grave situação por que passa a instituição.  

Creio que é quase impossível vencer a ignorância de certas pessoas pela dialética, mas insisto em dizer que, para o município de Itororó investir no Hospital local, é necessário que, antes, esta instituição desista  de ser  privada, e se faça pública.

Contudo, pessoalmente, não acho  uma boa ideia transformar a Fundação Hospital e Maternidade de Itororó em uma entidade de natureza pública.  Sob a responsabilidade do estado, até que dá para   arriscar, mas, pô-la sob a responsabilidade do município, passa a ser temeridade.

Primeiro, porque o município não tem recursos disponíveis suficientes para, adequadamente, manter o Hospital. Isto, depois de conseguir reequipá-lo  porque, de acordo com certas  informações, está faltando-lhe quase tudo de que um hospital precisa. Segundo, porque os riscos de uma  gestão pública municipal para a instituição são muito grandes. Na regra geral, as administrações municipais são sempre muito políticas,  e o risco do Hospital vir a  ser no futuro um cabide de emprego é bastante real. Por isso, volto a insistir que o melhor para esta casa de saúde é continuar  pertencendo à Fundação, e a sociedade de Itororó mobilizar-se para salvá-la.

Coincidentemente, neste último domingo, ao assistir à missa, tomei conhecimento, por meio do Semanário Litúrgico, folheto usado pelos fiéis para acompanharem a celebração, que a Campanha da Fraternidade da Igreja Católica para este ano adotou o seguinte  título: “Fraternidade e Saúde Pública”. Achei que o tema da campanha vinha a calhar com a salvação do Hospital e Maternidade de Itororó.

O objetivo geral da campanha da CNBB  será promover ampla discussão sobre a realidade da saúde no Brasil e das políticas públicas da área, para, assim, contribuir na qualificação, no fortalecimento e na consolidação do SUS, com vista à melhoria da qualidade dos serviços, do acesso e da vida da população. Mas, a comunidade cristã de Itororó poderá aproveitar a oportunidade desta campanha  para desenvolver um trabalho particular, com vista à preservação do único hospital da cidade, sem, com isso, fugir do objetivo geral da Campanha da Fraternidade para este ano.

A Campanha da Fraternidade, realizada anualmente pela Igreja Católica  no Brasil, sempre ocorre no período da Quaresma. Seu objetivo é despertar a solidariedade dos seus fiéis e da sociedade em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos de solução. A cada ano é escolhido um tema, que define a realidade concreta a ser transformada, e um lema, que explicita em que direção se busca a transformação. Para este ano, o tema é “Fraternidade e Saúde Pública” e o lema é “Que a Saúde se Difunda Sobre a Terra”.

Ao desenvolver a  campanha no município de Itororó, a Igreja Católica poderia focar a maior parte de seus esforços para ajudar o Hospital da cidade. Para isso, não só convocaria a comunidade católica local, mas, igualmente, a comunidade evangélica para integrar-se à campanha. Com isso,  far-se-ia um trabalho ecumênico em que, pela primeira vez, no município, todos os esforços cristãos, coordenados pelas Igrejas,  estariam voltados para o mesmo  objetivo.

A campanha no município de Itororó poderia ser desenvolvida em, pelo menos,  duas dimensões, como nos ensina o Padre Anísio Baldessin, Coordenador da Campanha na Arquidiocese de São Paulo. Na primeira dimensão, a campanha procuraria  promover a importância da saúde do cidadão, dando ênfase à saúde pública e ao saneamento básico, ao destacar a prevenção das enfermidades e a promoção dos estilos de vida saudáveis. Já, na segunda  dimensão, a  político-institucional de que nos fala o padre Anísio, a campanha  voltaria sua atenção para  os organismos e instituições públicas e privadas  que prestam serviço à saúde. É, aí,  que passaria a cuidar da questão do Hospital e Maternidade de Itororó.

Não é minha intensão ditar os caminhos da campanha  no município que devem ser discutidos e definidos pelos grupos de trabalho, criados para esse fim.  Mas, não seria nada de mais dizer que deveria ser criada uma comissão com o objetivo de procurar a direção do Hospital para tomar conhecimento  de sua posição a respeito da mobilização para ajudar esta instituição,  e uma outra comissão para avaliar as reais condições desta casa de saúde.

Hoje, somente  se sabe das condições do Hospital pelo  ineficiente atendimento médico-hospitalar,  e através dos comentários que circulam pela cidade. A sua direção nunca veio a público para expor a real situação em que vive a instituição. Por isso, antes de qualquer mobilização popular  seria necessário a criação de uma comissão de alto nível para discutir o assunto com a direção da instituição.

Em verdade, o que a sociedade local não pode é perder a oportunidade, criada pela Campanha da Fraternidade deste ano, para tomar conhecimento da real situação do Hospital e Maternidade de Itororó e, se necessário, mobilizar-se para salvá-lo, antes que seja tarde para qualquer salvamento.

Texto: Djalma Figueiredo

1 resposta para “EDITORIAL: A CAMPANHA FRATERNIDADE E SAUDE PÚBLICA PODE SALVAR O HOSPITAL.”

Deixe seu comentário

shekinah pousada restaurante

danny disk gelada

unicesumar

plena saude

paulinho construcao

sam fitness

educandario ferraz

charmes esportes

tropical modas

supermercados compre aqui

jamille lanches

associacao seguranca guardioes

leophoto


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia