WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
farma e farma - bahia gasjunior moveis e eletros clinica bem estar


fevereiro 2021
S T Q Q S S D
« jan    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
floema

pizzaria garoto senna

pro corpo academia

andressa fashion hair

mercadinho delta

drogaria saude farma

genilson reis fotografia

alianca variedades

casa de carnes alianca

softsky informatica

tecnet

guri polpas

hn informatica
Sorry, there are no polls available at the moment.


:: 18/fev/2021 . 22:46

Bolsonaro critica Petrobras e diz que vai zerar imposto federal no diesel

.

.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou a Petrobras pela alta no preço dos combustíveis e disse que vai zerar os impostos federais sobre o diesel, por dois meses, e sobre o gás de cozinha, por tempo indeterminado. Bolsonaro voltou a repetir que a Petrobras tem autonomia para tomar decisões e que não pode interferir na estatal. Porém, sinalizou que o seu governo pode realizar mudanças na companhia, sem citar quais.

“Se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias. Tem que mudar alguma coisa. Vai acontecer.”

Ele revelou que a isenção de impostos federais sobre o diesel e o gás de cozinha começa em março. “A partir de 1º de março não haverá qualquer imposto federal no diesel. Nesses dois meses, vamos estudar uma maneira definitiva de zerar esse imposto até para ajudar a contrabalancear esse aumento excessivo da Petrobras”, disse hoje à noite, durante live semanal transmitida pelas redes sociais. “Hoje à tarde, reunido com a equipe econômica, tendo à frente o ministro Paulo Guedes, decisão nossa: a partir de 1º de março agora, não haverá mais qualquer tributo federal no gás.

Na sequência, Bolsonaro intensificou as críticas ao presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, sem citar o seu nome. Se você vai pra cima da Petrobras, ela fala: ‘opa, não é obrigação minha’. Ou como disse o presidente da Petrobras outro dia: ‘eu não tenho nada a ver com caminhoneiro, aumento o preço'” Também criticou a ANP (Agência Nacional de Petróleo). “Eu não posso chamar atenção da Agência Nacional de Petróleo, porque é independente, mas tem atribuição também. Não faz nada.” Na semana passada, Castello Branco foi ao Palácio do Planalto para uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro e com os ministros Paulo Guedes (Economia), Bento Albuquerque (Minas e Energia).

Firmino Alves: Prefeitura divulga funcionamento do Toque de Recolher no município

.

.

A Prefeitura Municipal de Firmino Alves, comunica que a partir de amanhã (19/02/2021) entra em vigor o Decreto de n° 20.233/2021 instituído pelo Governador do Estado da Bahia, que determina o TOQUE DE RECOLHER.

⚠️Como vai funcionar o Toque de Recolher?

👉🏽 Medida começa a valer a partir de sexta-feira (19), das 22h às 5h, e segue até 25 de fevereiro;
👉🏽 Serviços de delivery proibidos para bares, restaurantes e semelhantes, a partir das 22h, sendo permitidos apenas para farmácias;
👉🏽 Estabelecimentos comerciais e de serviços deverão encerrar as suas atividades até as 21h30;
👉🏽 A polícia Militar irá fiscalizar o cumprimento do toque de recolher;
👉🏽 Postos de gasolinas poderão ficar abertos, mas as lojas de conveniência deverão ser fechadas;
👉🏽 Quem trabalha de madrugada deverá portar documento que comprove a atividade para poder circular na rua;

Itororó: Confira a agenda da Clínica Bem Estar no mês de Fevereiro

.

.

Itororó: Faleceu Orlede Morais do Sindicato

.

.

Faleceu no Hospital de Base de Vitória da Conquista o funcionário público Itororoense João Orlede Moraes Silva de 71 anos, vítima de complicações causadas pela COVID-19.

Orlede vinha enfrentando uma luta dura contra a COVID-19 desde de que foi internado na UTI da unidade hospitalar. Ele chegou a ficar internado no Hospital Cristo Redentor em Itapetinga.

Orlede trabalhou por muitos anos no SINSERVITO – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Itororó – e na gestão de Dr. Adauto, ele atuou como controlador interno da prefeitura. Orlede deixa 4 filhos e o seu enterro será nesta sexta-feira, 19, em Itororó.

Informacões do Blog Itororó Já

Itororó: Prefeitura divulga Decreto sobre medidas contra COVID-19

.

.

O PREFEITO MUNICIPAL DE ITORORÓ, Paulo Rio, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei Orgânica do Município Itororó – LOMI, ainda, o, tendo em vista o disposto na Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020 e na Portaria MS/GM nº 356 de 11 de março de 2020 divulga o Decreto Municipal que dispõe sobre medidas a serem implementadas no município a partir desta sexta-feira, 19.

Confira link do Decreto abaixo:

http://www.itororo.ba.io.org.br/diarioOficial

Ilhéus atinge 100% de lotação dos leitos de UTI para COVID-19 e saúde pode entrar em colapso

.

.

Segundo reportagem veiculada, no último dia 16, no do BATV – programa jornalístico da TV Bahia (afiliada da Rede Globo) – a cidade de Ilhéus, litoral sul da Bahia, está com 100% dos leitos de UTI destinados a pacientes com COVID-19 ocupados. A fila de espera por uma vaga, aumenta mais a cada dia e não há previsões concretas de quando tudo será normalizado.

Ao todo, a terra de Jorge Amado conta com 50 leitos de UTI´s para tratamento da Covid19. Segundo o Boletim epidemiológico do último dia 17, Ilhéus possui 596 casos ativos de Covid em isolamento, 50 casos ativos internados em UTI e 306 óbitos confirmados. No geral, já foram confirmados 11.930 casos de Corona no município litorâneo.

O médico Dr. Júlio Diaz, foi um dos entrevistados pela reportagem e disse que “está chegando o momento em que pessoas vão morrer por falta de tratamento”. “O volume de pacientes que está precisando de atendimento hospitalar, está cada dia maior, a fila da regulação está cada dia maior e se a gente não chamar para a responsabilidade, se a gente não chamar para o cuidado dessas pessoas, essa caminhada não vai ter fim e nós vamos começar a perder pacientes por não termos condições de cuidar. Isso é muito duro de dizer: perder paciente por não poder cuidar”, disse Dr. Júlio, que já teve Covid e ficou 15 dias internado na UTI.

O secretario de saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, disse que esse pode ser o pior momento do enfrentamento da pandemia. “O quadro hoje requer muito cuidado, por que tivemos um impacto muito forte da segunda onda na região. A gente considera que hoje já estamos no pico e entrando na terceira, com a chegada das novas variantes do vírus vindo de outras localidades”, comentou o Secretário.

Para piorar a situação, as 20 UTI´s que ficam no Centro de Covid que foi montado no Centro de Convenções está sem funcionar por falta de profissionais e de medicamentos. A empresa que geria o local, teve seu contrato encerrado no dia 31 de dezembro, diminuindo assim, drasticamente, a capacidade de operação do Centro.

Enquanto isso, pessoas como Dona Eulina Oliveira que está à procura de uma vaga para internar a sua mãe, Dona Lucilila Oliveira, passam dia todo em busca de um atendimento digno para os familiares. “Eu a levei (Dona Lucilia) em vários hospitais e não achei vaga para internar ela. Levei no Centro de Convenções, onde ela está internada, só que eu preciso de um hospital com leito de UTI”, explicou dona Eulina.

Biomédico Itororoense participa de Estudo da USP por uma vacina nacional contra COVID-19

.

.

Atualmente, o Brasil tem duas vacinas contra o SARS-CoV-2 aprovadas para uso emergencial: a Coronavac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, e a AstraZeneca/Oxford, produzida pela Universidade de Oxford em parceria com a multinacional inglesa. 

Para que um imunizante seja aprovado e esteja disponível no mercado, são necessários de dez a 15 anos de muita pesquisa e vários testes. A aprovação para uso emergencial das duas vacinas disponíveis foi feita em tempo recorde, mas ainda é possível que os imunizantes passem por melhorias. 

O  Biomédico Itororoense Rubens Prince dos Santos Alves de 29 anos, graduado pela UESC, mestre e doutor pela USP e atualmente pesquisador em LA Jolla Institute for Immunology em San Diego na Califórnia, participa dessa pesquisa tão abrangente.  

Autoridades, médicos e cientistas ressaltam a importância de termos um produto brasileiro com tecnologia 100% nacional, mesmo que isso demore anos.  As razões vão desde a preocupação de que a covid-19 se torne uma doença sazonal até a dependência de importação de insumos, processo que atrasa a fabricação de vacinas no País. 

A USP é uma das instituições que assumiram o compromisso de desenvolver uma vacina do zero.  São sete projetos em andamento nos vários campi da Universidade. A vacina em spray nasal do Instituto do Coração (Incor) da Faculdade de Medicina (FMUSP); a vacina nanoparticulada da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP); a vacina vetorizada da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA); as quatro plataformas vacinais em ensaios pré-clínicos do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB): a nanovacina, a vacina de subunidades, e as vacinas de DNA e de RNA. 

As duas primeiras são as que se encontram em fase avançada. O grupo que desenvolve a vacina em spray nasal deve iniciar os testes toxicológicos em breve.  Já a nanoparticulada, da FMRP,  aguarda a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar os ensaios clínicos de fase 1 e 2. 

O Jornal da USP conversou com os líderes dessas pesquisas e, nesta reportagem, explica todos os detalhes. 

SPRAY NASAL: A VACINA SEM DOR

A ideia de uma vacina contra a covid-19 indolor, bem aceita por crianças, gestantes e idosos, desenvolvida com tecnologia nacional e que ataca o vírus na porta de entrada para o organismo, pode virar uma realidade em breve. A produção do imunizante em formato de spray nasal começou em abril de 2020 e, atualmente, é liderada por Jorge Kalil Filho, diretor do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina (FMUSP).

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, o médico disse que a proposta do trabalho, desde o início, era estudar melhor a resposta imune contra o coronavírus para criar uma vacina baseada nos alvos da resposta imune mais eficientes.

:: LEIA MAIS »

Decisão do STF reconhece o Coronavírus como acidente de trabalho; Profissionais não são informados

.

.

Por SindMédico-DF

Apesar da decisão do STF, que reconhece a COVID-19 como acidente de trabalho, muitos profissionais nem sabem da necessidade do CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho)

Após decisão do STF, de enquadramento da covid-19 como acidente de trabalho, ainda encontramos muitos profissionais que foram afastados pela doença, mas não realizaram o preenchimento do CAT, documento que reconhece o acidente de trabalho e doenças ocupacionais.

O que se observa é que a maioria nem sabe dessa decisão. Empresas e sindicatos não têm informado aos trabalhadores sobre o que deve ser feito, já no primeiro afastamento causado pela contaminação do novo coronavírus.

Para profissionais que contraem a doença e se recuperam, a não comunicação do acidente de trabalho pode trazer dificuldades futuras considerando que a covid-19 é uma doença nova que ainda pode apresentar sequelas.

Quando ocorrem sequelas, é a comunicação feita por meio do CAT, que garante ao trabalhador o recebimento do auxílio adequado, podendo ser afastado para tratamento, sem correr o risco de ser demitido ou em caso de demissão, ficar sem o benefício do INSS.

Sem CAT, sem garantia de direitos

Este é o caso de um enfermeiro que atua na linha de frente da Secretaria de Saúde do DF. Ele, que preferiu não se identificar, relatou que foi contaminado no ambiente de trabalho, mas que não recebeu nenhuma orientação a respeito da comunicação por acidente de trabalho. Somente após o afastamento é que ele foi informado de que deveria ter realizado o preenchimento do CAT, para garantia de seus direitos. Agora, ele tenta reunir documentação, para provar que teve a doença e fazer a comunicação.

“Quando me contaminei, não recebi nenhuma orientação do sindicato e nem da medicina do trabalho. Agora que estou reunindo a papelada exigida. Você passa pela doença, sofre a internação e depois ainda tem que provar que ficou doente. Tive que fazer um documento no SEI e buscar um teste que foi feito lá no dia 04/07, para provar que tive a doença. Mesmo com todo o relatório da minha internação, a medicina do trabalho ainda está questionando se eu realmente tive covid-19”, relatou o enfermeiro.

Já no caso do servidor vir a óbito, é a confirmação da doença adquirida em ambiente de trabalho, que vai garantir a família, o direito a pensão em valor integral. Mas se a informação não for feita por meio do CAT, os familiares receberão apenas o proporcional ao tempo de trabalho do falecido. E terão que lutar na justiça para provar que a morte ocorreu pela exposição de um agente nocivo no ambiente de trabalho e, assim, passar a receber o valor correto da pensão. 

Este é o caso de Rosecleia Gerônimo, 28 anos, viúva do técnico de enfermagem Hiram Gerônimo, 47 anos, que era servidor do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) e faleceu após ser infectado pelo novo coronavírus no trabalho. Rose explicou que quando foi dar entrada ao pedido de pensão do marido, no Hran, também não foi informada de que deveria fazer a comunicação por acidente de trabalho. Somente após ter procurado um advogado, é que ela foi informada por ele que deveria fazer esta comunicação para garantia dos direitos que cabem a família, no caso de morte do trabalhador causada por acidente de trabalho.

“Quando tentei resolver tudo sem advogado, que fui ao Hran dar entrada na pensão, ninguém lá me informou que eu deveria ter feito a comunicação por acidente de trabalho e sobre o preenchimento da CAT.  Foi aí então que eu procurei um advogado e ele me informou que a morte do meu marido deve ser considerada como acidente de trabalho. Agora estou buscando na justiça o reconhecimento do CAT, para dar continuidade ao processo”, declarou Rose.

Ela disse ainda, que acredita que o marido também não sabia que deveria ter feito o preenchimento do CAT, quando constatou que havia sido contaminado. “Quando foi internado, por estar na linha de frente, o Hiram sabia que corria o risco de morrer. Por isso sempre me orientava e quando foi para o oxigênio, já me avisou sobre os papéis que deveria reunir e quem deveria procurar caso ele viesse a óbito. Mas em nenhum momento ele me falou sobre a comunicação por acidente de trabalho, por isso eu acho que ele também nem sabia que deveria preencher essa CAT. Além disso, ele tinha diabetes, fazia parte do grupo de risco, mas não foi afastado pela Secretaria de Saúde”.

Outras categorias também não foram informadas sobre o CAT

Outras classes trabalhistas que atuam na linha de frente tem sofrido inúmeras perdas de profissionais pela Covid-19, e sequer sabem sobre o preenchimento do CAT.

Diego de Araújo, 34 anos, que é  vigilante do Hospital Regional de Taguatinga, e a esposa Maria do Carmo Araújo, 33 anos, que é técnica administrativa no HRT, foram infectados ao mesmo tempo, pelo novo coronavírus, no trabalho. Os dois foram afastados, mas não foram orientados a preencher o CAT.

“Quando foi constatado no exame que eu tinha sido infectado pelo coronavírus, não foi comunicado como acidente de trabalho, e eu nem sabia que havia essa possibilidade. No caso da minha esposa, que é servidora pública funcionária do HRT, também não foi  comunicado que poderia configurar como acidente de trabalho”, contou Diego.

O Sindicato dos Vigilantes do DF, categoria que já perdeu mais de 14 profissionais que atuavam na linha de frente e tem uma média de mais de 1 mil infectados por dia, informou por meio de sua assessoria, que eles não sabiam da decisão do STF, de inclusão da covid-19 como acidente de trabalho. O secretário de comunicação do sindicato, Gilmar Rodrigues informou que “agora que ficamos sabendo dessa determinação, vamos cobrar das empresas para que seja feita a comunicação por acidente de trabalho, de todos os trabalhadores que perderam a vida por conta da covid-19”.

O presidente do SindMédico-DF, Gutemberg Fialho, destacou que “a comunicação de acidente de trabalho, nos casos de contaminação do novo coronavírus no ambiente laboral, assegura a preservação dos direitos do trabalhador e de seus dependentes”.

Itororó: Jovem está desaparecido e deixou carta para a família

.

.

Familiares informam que o jovem Matheus Ramos Santos de Brito de 23 anos está desaparecido desde a tarde da última quarta-feira, 17, após sair de casa por volta das 14h.

Matheus saiu de sua residência no Centro da cidade carregando uma mochila, vestindo uma blusa vinho, bermuda bege e sapato azul, com destino a Rodoviária de Itororó, comprou uma passagem e viajou sentido a cidade Itabuna. Ele deixou uma carta para a família. Foi aberto um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Itororó.

O jovem sofre de transtorno de ansiedade e não está fazendo uso de sua medicação. Qualquer informação sobre o paradeiro de Matheus pode ser repassada nos telefone: 073 99969 1541 / 73 99848 4719.

Informações do Blog Itororó Já



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia